NAVEGUE PELO BLOGUE

13 de dezembro de 2009

FAFE NO SÉCULO XIX


Desenho de João de Almeida - Gravura de Pastor
"O Minho Pittoresco" - 1886


José Augusto Vieira, autor da obra "O Minho Pittoresco" passou por fafe no último quartel do séc. XIX e assim referiu Fafe no seu livro:

«... eis-nos em Fafe, olhando das janellas do hotel da Vista Alegre a physionomia da graciosa villa, que mais de perto vamos analysar, o que aliás é fácil e se executa em pouco tempo, porque, exceptuando a parte que o leitor vê na nossa gravura de página que é, por assim dizer, o coração de Fafe, - haja em attenção ao relógio da Praça municipal que lhe marca as pulsações -, a duas ou três ruas mais e a um outro largo se reduz a topographia local.
Fazendo esta visita percebe-se bem, que vae n'uma phase crescente de prosperidade a velha Fafe e que o elixir da fortuna a remoça deveras; as construções particulares ahi estão em abundância para o comprovar, tanto mais que se lê o sorriso da abastança alegre, que deve animar a physionomia dos seus proprietários.»




Esta fotografia mostra os antigos Paços do Concelho e outros edifícios anexos, demolidos em 1919, por ameaçarem ruína.


CONTINUA... VÁ ACOMPANHANDO ESTE BLOGUE E COMENTE!

3 comentários:

António Daniel disse...

Espero que daqui para a frente sejamos merecedores do que nos resta. Ainda bem que se tomou consciência da importância do património, neste caso imobiliário. Parabéns ao blogue e aos respectivos promotores (creio ser Jesus Martinho). O finais do século XIX e princípio do séc. XX foram, para Fafe, fases pródigas que nos deixaram razões para gostar disto.

Jesus Martinho disse...

Obrigado mais uma vez ao António Daniel... o leitor mais interveniente nos blogues de Fafe.
Espero que outros sigam o exemplo e façam os seus comentários.

António Daniel disse...

O afastamento dá-nos alguma lucidez. Sabe, já muitas vezes me interpelaram acerca das razões que me levam a participar nestes sítios e, concomitantemente, a gostar de Fafe. Eu próprio me questiono. É verdade, pouco me prende aí, mas o que sinto é biológico e quanto a isso não há algo que se possa fazer...