NAVEGUE PELO BLOGUE

15 de dezembro de 2011

CINEMA SONORO ABRIU COM “A LOUCURA DE MONTE CARLO” (1931)





A inauguração do cinema sonoro em Fafe aconteceu na quinta-feira, 17 de Novembro de 1932, há 79 anos.
A este respeito o jornal “O Desforço” de 24 de Novembro de 1932 refere o seguinte:
«A inauguração do Cinema Sonoro em Fafe, feita na quinta-feira no importante Teatro-Cinema, foi motivo de grande e geral regosijo, por esse facto demonstrar que esta linda terra continua a marcar, vestindo, de mãos dadas com as cidades, os figurinos da época.
Excedeu a expectativa.
E, a despeito da chuva torrencial que caiu, a bela casa de espectáculos, primorosamente modernisada – a quem diz modernisada, diz actualizada a todos os requisitos, perfeita na excepção da palavra, pois nada lhe falta em condições de segurança, de higiene, de asseio, de conforto proporcionado ao publico, conforto e luxo, onde deviam ter sido gastos para cima de 300 contos – encheu por completo.
Vieram bastantes famílias dos concelhos visinhos, muita gente das freguesias ruraes e uma imensidade de pessoas da vila – casa completamente cheia – todos ávidos de ver e ouvir, pois para a maior parte o Cinema Sonoro ainda era desconhecido.



O Cinema Mudo, que teve a sua época, é hoje incompleto para a nossa maneira de ser; etapa na carreira da fotografia em movimento, que mais tarde teria de animar-se com o eforço de Auguste Baron – Pae do sonoro que hoje vive na miséria em Newilly – já estava a fatigar e a a adormecer.
O Sonóro, aproximando-se mais da verdade da nossa vida e das nossas senssações, que empolga e sugestiona as plateias com o som dos seus auto-falantes, veio relegar o mudo para o museu das coisas históricas, e ganhou mesmo vantagens ao teatro, em emoção, em arte e suptuosidade, oferecendo-nos quasi ao vivo, musica, canções e bailados.
E foi isso que a reabertura do Teatro, há muito anciada, foi motivo, no dia 17, de grande e geral regosijo, agradando sobremodo a elegância do écran, ao qual a plateia unânime e entusiasticamente seu uma salva de palmas, que o mesmo foi felicitar, aclamar a Empresa pelo primor, pela excelência, pela perfeição.
Decorreu depois a sessão, uma sessão alegre, animada, em que sobressaiu a encantadora opereta «A Loucura de Monte Carlo». O programa foi bem escolhido e a sessão agradou plenamente.



Mas, como nesta, todas as quintas feiras e domingos o publico terá ensejo de ver surpreendentes “soirées” faladas, musicadas, autênticos sucessos em graça, hilariante, aventuras, amor, etc.
Em suma: o Teatro-Cinema. A jóia dos teatros portugueses – proporciona, com a melhor e mais perfeita aparelhagem sonora, duas vezes por semana, ao publico da nossa terra e dos concelhos vizinhos, com preços acessíveis, os mais agradáveis passatempos, tirando-nos da monotonia profunda em que vivíamos, pois nem só de pão vive o homem….
Por isso não nos cansamos de louvar quem, não se poupando a demasiadas despezas e grandes trabalhos, nos sabe nivelar com os meios mais adiantados onde se gosa o bom o belo e o gradavel. A casa de domingo encheu-se também e o “Cruzeiro de Amor”, como as restantes partes da sessão, muito agradaram.»





Sem comentários: