NAVEGUE PELO BLOGUE

9 de setembro de 2012

PONTES ANTIGAS CARECEM DE INTERVENÇÃO ADEQUADA



Ponte medieval do Ranha está ameaçada





São 12 as pontes mais antigas conhecidas até ao momento no Concelho de Fafe. Haverá outras? Talvez. Foram quase todas construídas em época Medieval. Apesar de alguns lhes chamarem pontes romanas, na verdade e com muita pena minha, por aqui não passa qualquer via daquele período. As pontes antigas representam um testemunho importantíssimo para o conhecimento da rede viária na antiguidade. Fafe não é excepção e tenho a certeza que poucos imaginariam que existe aqui um número tão elevado de pontes Medievais, com alguns troços de antigas calçadas associados.



Juntamente com a ponte de Sangidos, a ponte velha do Ranha, foi um dos mais importantes pontos de travessia da via medieval que partia de Guimarães e se dirigia a Cavez. Este relevante itinerário medieval é referenciado em vários documentos da segunda metade do século XII. Estamos, por conseguinte, perante uma ponte românica construída há cerca de oito séculos, constituindo património arquitectónico de elevado significado que importa preservar e valorizar.



Ponte de Ranha 2003. Acção de limpeza pela Junta de Freguesia de Fafe
Foto: José Mário Silva

Desde o primeiro levantamento arqueológico, datado de 1983, que a ponte medieval do Ranha e respectiva calçada, têm sofrido diversas agressões, denotando total desinteresse pelas entidades responsáveis. Excepção para a Junta de Freguesia de Fafe que já promoveu duas acções de limpeza naquele monumento, em 2003 e 2007.



O actual estado de conservação da ponte é preocupante. Um forte manto vegetal “engoliu” a estrutura, algumas pedras da guarda para montante desapareceram e, na margem esquerda da Ribeira de Moreira do Rei, há uns anos foi construído um muro, alegadamente clandestino, sobre uma parte do troço da calçada medieval, ainda bem visível.



A ponte não é visível... mas continua lá! Foto: Jesus Martinho, Agosto 2012


O caso da ponte do Ranha não é único, infelizmente as nossas pontes Medievais estão muito mal tratadas, não beneficiam de limpezas de manutenção periódicas, não estão devidamente sinalizadas, carecem de intervenções de consolidação e estão pouco divulgadas. Há portanto muito a fazer neste campo tão fascinante das pontes antigas e dos troços de antigos caminhos que, apesar de tudo, continuam a resistir ao desleixo, mantendo-se firmes, continuando a dar passagem para a outra margem, suportando, algumas, trânsito automóvel.


Ponte de Ranha em 1968. Foto: Carlos Alberto Ferreira de Almeida (FLUP) 



Ponte de Ranha em 1983, foto de Henrique Regalo (UAUM)




Ponte românica das Romãs (séc. XII/XIII) parcialmente destruída nos anos 80 para a construção e uma ponte de betão na Rua de Pardelhas.



Ponte Velha de S. José. Cronologia indeterminada. Continua a dar passagem ao trânsito automóvel e à mais conhecida manifestação religiosa do Concelho: a procissão de Nossa Senhora de Antime.
Os alçados da ponte? foram também engolidos pela vegetação!




Parte deste texto foi publicado também no semanário:

7 de Setembro 2012





Sem comentários: