NAVEGUE PELO BLOGUE

15 de novembro de 2012

"DANIEL DAS LÃS 70 ANOS ATRÁS DO BALCÃO




Com 82 anos de idade Daniel de Oliveira apresenta uma jovialidade apreciável. Aposentado há 17 anos, mantém o seu pequeno negócio que afirma, “vai dando para viver”. Aprendeu muito com a vida e ao fim de um longo percurso de 70 anos atrás de um balcão, com algumas contrariedades pelo meio, Daniel de Oliveira mantem-se firme, aguardando clientes que tardam em chegar. Mas o “Daniel das lãs” nunca está só. A imagem de Nossa Senhora do Sameiro, a Santa da sua devoção está sempre ali ao lado, protegendo-o e segredando-lhe a receita da longevidade.


Daniel de Oliveira nasceu na freguesia de Golães em 10 de Junho de 1930. Antes de completar os 13 anos de idade, contrariando a vontade dos progenitores, o menino Daniel foi trabalhar como caixeiro. “Naquele tempo era uma honra ser-se caixeiro. Era um emprego bonito, tínhamos de andar aprumados, vestidos de fatinho e gravata”. Daniel começou a sua actividade profissional como aprendiz na casa de fazendas de Eugénio da Silva que pouco tempo depois vendeu o negócio a Carlos da Cunha, que teve um grande armazém em Docim (Quinchães), onde o jovem Daniel trabalhou alguns anos. “Ganhava então 50 Escudos por mês”. Terminadas as obras na loja emblemática, “Armazéns Cunha”, Daniel regressou à casa de origem onde esteve sete anos como praticante. “A profissão de Caixeiro tinha várias categorias: aprendiz sem prática, aprendiz com prática, praticante, 3º, 2º e 1º caixeiro. “Como praticante, o meu salário era de 380 escudos”.
Algumas “desinteligências” com os patrões e um parco ordenado levaram Daniel Oliveira, já adulto, a abandonar os “Armazéns Cunha” transitando para o Centro Comercial” de João Carlos da Conceição. “Aquilo de centro comercial não tinha nada, não era como os da actualidade, mas era assim conhecido. A mim até me chamavam o Daniel do centro”, revelou.”De praticante passei logo a 1º caixeiro, auferindo o dobro do salário, 760 escudos. Um ordenadinho bem bom, naquela altura”, constactou o nosso entrevistado que até 1968 esteve “como peixe na água”. Era como um patrão”. “Daniel do Centro” atendia com classe, fazia a escrita e, entre outras ocupações, decorava as montras, tarefa que adorava fazer granjeando alguns prémios dos quais se enobrece.



Casado, com três filhos, o caixeiro Oliveira confessou que ganhava bem; “4.500 escudos, muito mais que os 2.600 escudos que pagavam aos professores, comparou Daniel, que apesar da sua boa situação profissional, tinha ambição, “queria dar aos filhos o que não pude receber dos meus pais”. Foi então, no ano de 1969, que o experiente caixeiro passou a patrão, estabelecendo-se numa pequena loja onde existiu a sapataria de José Manuel Rodrigues, na rua Monsenhor Vieira de Castro.
“A confecção proliferava. Na altura apareceram as gangas, as bombazinas, as samarras com peles de raposa… Os tecidos a metro e as malhas para senhora completavam o artigo que comercializava. Arrisquei e fui bem-sucedido. Nas décadas de 60,70 e 80, ganhou-se muito dinheiro”, garantiu Daniel Oliveira que lembrou os tempos em que os fregueses faziam fila à porta das lojas, sobretudo em dias de Feira Semanal, sublinhou. 



“Depois isto começou a decair e a concorrência era cada vez maior, o pronto-a-vestir invadiu o mercado e eu tive e arranjar uma solução para o meu negócio”. O comerciante resolveu então dedicar-se ao fio de lã, de origem espanhola e francesa. “Que eu conheça já não existem fabricantes de fio de lã em Portugal”, observou Daniel, garantindo que o seu artigo tem qualidade. A lã também tem época alta, nos meses de Outubro a Março vende-se mais, é por isso que tenho os artigos de viagem e outros, para colmatar a época de pouca saída de lã, explicou. 




Daniel Oliveira foi também um activista e orgulha-se de ter ajudado a fundar diversas organizações.   


A vida social sempre atraiu o nosso entrevistado. Nunca foi homem de estravagâncias e sentia que podia ajudar o próximo através do associativismo. Daniel Oliveira não escondeu a sua soberba quando falou na sua participação activa na refundação do emblemático Grupo Nun´Álvares, em 1952 e recorda com saudade as peças de teatro e o conjunto musical “Pimpinela”; A CERCIFAF foi outra organização que ajudou a fundar, ocupando, ainda hoje algum do seu tempo livre; Apesar de uma vida curta, o Ellos Club de Fafe foi outra organização que Daniel ajudou também a criar, à semelhança da “Escola de Pais do Liceu de Fafe”. Esteve também, durante anos, ligado à “Fábrica da Igreja da Paróquia de Fafe”. A vertente humanista e solidária de um homem que deixou a sua marca na vida social do concelho.



A entrevista chegava ao fim e uma cliente entrou no estabelecimento. Comprou um novelo de lã para acabar o seu labor… olhou para uma caixa de lãs coloridas e perguntou quantos novelos seriam necessários para tricotar um xaile. O experiente comerciante indicou quantidade e preço. A senhora exclamou: “Nos chineses fica mais barato e não dá trabalho!”... Mas não é a mesma coisa, pois não Sr. Daniel? 


                  Publicado também no jornal: 

 9 Outubro 2012
 
                                                              
    

Sem comentários: