NAVEGUE PELO BLOGUE

6 de dezembro de 2012

REVISTA CULTURAL DOM FAFES TEM NOVO NÚMERO

 

A Câmara Municipal de Fafe acaba de editar mais um número duplo da revista cultural Dom Fafes (17/18). A publicação tem por objetivo publicar trabalhos de investigação sobre aspetos da história do município.
O presente número duplo da revista Dom Fafes, correspondente aos anos de 2010 e 2011, é publicado sob o signo da República, que se comemorou festivamente por estes anos.

Desde logo, o destaque desta edição vai para o trabalho “O Ensino em Fafe durante a Primeira República”, com o qual o investigador Artur Magalhães Leite venceu a nona edição do Prémio de História Local – Câmara Municipal de Fafe, atribuído em 2011 e entregue em 25 de Abril do mesmo ano.
Pretendendo uma visão de conjunto do período republicano (1910-1926), mas indo um pouco atrás, ao século XIX, o texto aborda o aparecimento de escolas, de tipos diferentes de ensino, das dificuldades de instalações, da higiene, das dificuldades económicas, dos serviços de apoio ao ensino e educação, dos esforços para mentalizarem as populações como apelativo aos ideais republicanos através das lições nas salas de aulas.

Ainda na mesma área se enquadra o texto de Artur Ferreira Coimbra em torno do poeta Joaquim Vaz Monteiro, o celebrado autor da obra poética O Solteirão de Fafe (1905) e que, apesar das suas raízes rurais e campesinas, deixou um legado de apego e louvor, em prosa e em verso, à República em geral e à obra republicana em Fafe, em particular. E com belíssimos poemas dedicados à então Vila de Fafe…

Outra vez da República se fala e da sua relação com a Imprensa, tema que a jornalista e investigadora Nair Alexandra apresentou na sessão solene comemorativa do 101º aniversário da Proclamação da República realizada na Câmara Municipal de Fafe, em 5 de Outubro de 2011. “A República e a Imprensa” foi o tema genérico da comunicação.

No capítulo dos “estudos”, de realçar desde logo um novo ensaio do jovem historiador Daniel Bastos, sob o título “Doentes, Enfermidades e causas de morte no Hospital da Misericórdia de Fafe (1863-1911)”.

De relevar, finalmente, a exaustiva investigação empreendida pelo fafense D. Joaquim Gonçalves (Bispo Emérito de Vila Real), em colaboração com o Padre Doutor António Franquelim Neiva Soares e de que resultou o artigo“Párocos de Revelhe e Padres naturais da Paróquia”.

Trata-se de um longo, bem documentado e exaustivo trabalho que lista os Párocos que exercerem o seu múnus na paróquia (desde 1220 à atualidade) e os Padres aí nascidos (de 1449 aos nossos dias).

Um trabalho de insofismável grande fôlego e enorme minúcia investigativa, que enriquece os estudos de carácter religioso.

Este número da revista Dom Fafes está à venda na Biblioteca Municipal de Fafe, ao preço unitário de 5 Euros.
Fonte: Município de Fafe (DCDJ)


Sem comentários: