NAVEGUE PELO BLOGUE

17 de fevereiro de 2018

FAFE NA REVOLUÇÃO DO MINHO EM 1846 O Relato do Padre Casimiro (1)

Aspecto da igreja de S. Gens



Começamos aqui a transcrição dos relatos, em território fafense, que o Pe. Casimiro José Vieira, líder destacado na revolução popular “Maria da Fonte”, escreveu no seu livro: “Apontamentos para a História da Revolução do Minho em 1846 ou da Maria da Fonte”, publicado em 1883.

Por diversas vezes, Fafe foi palco da guerrilha entre as forças populares e as tropas de Costa Cabral.

No seu trabalho, Pe. Casimiro, “o guerrilheiro”, inicia a narração dos acontecimentos em território do actual concelho de Fafe, com um episódio ocorrido em terras de S. Gens, que passamos a transcrever:

«(…) Chegando depois às Chãs perto de S. Gens, encontrámos aí outra força de povo armado.
Perguntaram-nos por novidades, disse-lhes o que me pareceu melhor para os animar, mostrando-me sempre interessado, como com efeito estava, em que o povo vencesse, para que não entrassem em desconfiança, por me terem visto ir para baixo e voltar logo para cima.
Dei-lhes também os conselhos que julguei mais acertados para o bom êxito do ataque à tropa e me despedi.
Tendo nós andado pequena distancia, aí vem o povo a correr sobre nós, dizendo com vozes de desconfiança – Alto, alto, parem aí!!
Logo entendi que estávamos com o aperto porque eu já esperava, mas mostrando que a consciência nada me remordia, como com efeito assim era, marchei também a galope para eles e muito alegre no exterior mas muito triste no interior.
 Diziam eles – Não é nada consigo, é com esse que aí vai, façam alto, havemos de matá-lo, porque é espião cabralista, que ontem passou para baixo. Retire ao lado para o matarmos.
A isso respondi eu, sem saber ainda, quem ele era – Antes de o matar ouçam-me.



Aspecto da Igreja Paroquial de S. Gens


Estando o movimento popular circunscrito a 4 léguas somente, desde Braga até Vieira, estamos perdidos, porque a tropa, que é muita nos abafa em pouco tempo, é preciso que a sublevação se estenda, não só a todo o Minho, mas, pelo menos também a Trás-os-Montes e isso com a maior brevidade. Este homem vai fazer a revolução na província de Trás-os-Montes e por consequência é para nós um grande prejuízo matarem-no – Lidei quanto pude para o salvar, mas o povo ateimava sempre, que era falso, e que havia de ser morto.

Apeou ele e atirando a capa para o lado, ofereceu-se a ir na frente do povo para o fogo, armado ou desarmado, que se obrigava a todos os sacrifícios. Então um deles, que estava também para o matar, de arma aperrada e semblante carregado, mas que se convenceu de que eu tinha razão, disse-me baixo – Fie o homem senão é morto.
- Disse eu então – Pois bem eu fico por este homem – Olhe lá no que se mete!! Replicaram eles. Sei que é homem de bem, que não me há-de deixar ficar mal, e eu cá fico na terra para pagar por ele – acrescentei eu e então o deixaram.


Vista parcial da Chã de S. Gens


Soube depois que o homem era morgado do Serrado de Monte- Alegre, ia de bigode e pera o que era perigoso para a segurança pessoal.
Póde ser que tenhamos mais algum encontro – disse-lhes eu – e para que não haja perigo, quero que me deem dois guardas. – Logo se aprontaram dois rapazes desembaraçados, e muito contentes, para nos acompanhar, e marchámos.

Chegados a S. Gens disseram eles – Agora não há perigo, porque vêm aí os de Vilar e outros vizinhos, todos conhecidos e por isso não é necessário acompanhá-los mais.
Pegou então o morgado em dois pintos e deu um a cada um deles, mas nenhum aceitou e se despediram.

Declarou então o morgado, que trazia uma porção grande de pólvora e chumbo para caça em cima do cavalo em que montava o criado, e eu disse que a tirasse fora, porque se o povo descobria tal, ninguém lhe valia. Indo ele então para a  atirar fora, disse o Pereira, que me acompanhava, isso por modo nenhum, nesse caso levo-a eu; eu não tenho medo.

-Pegou pois dela, atirou-a acima da besta em que montava e a levou para Vieira.
Por toda a estrada encontrámos sempre diversas partidas de povo, uns muito contentes a cantar, outros deitando-se e dizendo, nada de ir para a guerra; que nos importa cá a nós a tropa, essa que se bata com outra, nós somos cá para empregados da terra, esses havemos de dar cabo deles, custe o que custar, vamos mas é dar fogo à Justiça, que nos leva tudo. (…)»

IN: Apontamentos para a história da Revolução do Minho em 1846 ou da Maria da Fonte, Por Pe. Casimiro José Vieira, Braga, Typographia Lusitana, 1883. 

Sem comentários: